Páginas

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Notas do subsolo(1864) - Dostoiévski(Editora L&PM)


As Notas do subterrâneo também traduzido como Memórias do Subsolo ou Notas do Subsolo (em russo Записки из подполья, Zapíski iz pódpol'ia) é um pequeno romance de Fiódor Dostoiévski. Esta obra é considerada como a primeira obra existencialista do mundo.
Apresenta-se como um excerto das memórias de um empregado civil aposentado que vive em São Petersburgo. O livro é dividido em duas partes, e realmente muito pequeno quando comparado ao tamanho das outras obras-primas de Dostoiévski.
Este é um homem amargo, isolado, sem nome (chamado geralmente de Homem subterrâneo). Este personagem, que não menciona seu nome em nenhum momento, encena na primeira parte do romance, que leva o nome de "O subsolo", um grande solilóquio com a intenção de "comover" de alguma forma seu leitor. Este leitor é de suma importância que seja detectado na leitura, pois o discurso do narrador é "moldado" por seu receptor, dessa forma o seu solilóquio, na verdade, é uma grande evocação de discursos alheios que são parodiados de uma forma zombeteira e às avessas.
O persoangem chega a dizer que é um homem mau, mas no fundo pode ser facilmente agradado pois no fundo é uma pessoa de bem, e isso o aflige. Diz que os homens sanguinários eram cultos e inteligentes (reforçando as idéias de Raskolnikov em Crime e Castigo), e que ele mesmo gostaria muito de encontrar um motivo pra dar sentido a sua vida, como os chamados homens de ação. Ele conclui que "o melhor é não fazer nada".
Na segunda parte, nomeada de "A propósito da neve molhada", há três episódios que relatam de uma forma concreta como o nosso anti-herói é encurralado socialmente pelos discursos e ações de uma sociedade despótica. Essa narrativa é exposta com uma visão da consciência do protagonista, num dos melhores exemplos do recurso literário fluxo de consciência.
Critica, recepção e influências
O Homem subterrâneo tornou-se uma influência para diversas personagens criadas em trabalhos posteriores. Um exemplo disso é Nikolai Levin, que é uma personagem do romance de Leo Tolstoi, Anna Karenina.
Tal e qual como a maioria dos romances de Dostoiévski foi bastante impopular, devido à rejeição dos ideais socialistas. Muitos críticos existencialistas, entre os quais, Jean Paul Sartre consideraram o romance como um percursor do pensamento existencialista e uma inspiração para as suas filosofias

Minha crítica:
Um livro antigo e tão atual, nunca antes na humanidade a solidão e a depressão assolaram milhões de pessoas no mundo todo. O advento da Internet só aumentou esse abismo e criou mais “homens e mulheres do subterrâneo.”
Existem jovens que só conhecem o “amor da internet” em salas de bate papo,redes sociais ou sites de relacionamento amoroso. Acabou o olho no olho, o frio na barriga. No mundo subterrâneo cada um é o que deseja e a ilusão impera, assim como a covardia e a mentira.
O que vemos é o crescimento da pedofilia e comércio sexual e a exposição sem limites de jovens postando elas mesmas fotos semi-nuas.
A mesquinhez e a sordidez do personagem do livro é tão atual quanto a sua covardia.
Hoje em dia ele seria mais feliz, seus planos de vingança seriam mais amplos e mais fáceis de serem executados. Sua pobreza física e moral não seria problema para estabelecer vínculos de amizade e namoro pelo facebook, MSN, etc.
É sem dúvida uma obra ímpar, percussora e como citei acima extremamente visionária e profética.
Por vezes torci pela felicidade e redenção do personagem. A sua dualidade psicológica é digna de Freud. A maestria do texto é fabulosa, o humor negro é sensacional.

Um livro imperdível.

Translation

Notes from Underground also translated as Notes from Underground or Notes from Underground (Russian Записки из подполья, Zapíski pódpol'ia iz) is a short novel by Fyodor Dostoevsky. This work is considered as the first existentialist work of the world.
It is presented as an excerpt from the memoirs of a retired civil servant who lives in St. Petersburg. The book is divided into two parts, and actually quite small compared to the size of other masterpieces of Dostoevsky.
This is a bitter man, isolated, unnamed (usually called the Underground Man). This figure, which does not mention his name at any time in the first stages of the novel, which takes its name from "The Underground", a great soliloquy with the intent to "move" in some way your reader. This player is very important that is detected in reading, as the narrator's discourse is "framed" by its receptor, thus his soliloquy, in fact, is a great evocation of alien discourses that are parodied in a mocking and reverse.
The persoangem goes on to say that is a bad man, but in the background can be easily pleased because the bottom is a good person, and that ails you. Says the men were bloodthirsty cults and intelligent (reinforcing the ideas of Raskolnikov in Crime and Punishment), and that he would love to find a reason to give meaning to his life, as so-called men of action. He concludes that "it is best to do nothing."
In the second part, named "The purpose of wet snow," for three episodes that relate to a concrete manner in which our anti-hero is trapped by social discourses and actions of a despotic society. This narrative is exposed with a view of consciousness of the protagonist in one of the best examples of stream of consciousness literary device.
Criticism, Reception and influences
The Underground Man became an influence for several characters created in his later works. An example is Nikolai Levin, who is a character from the novel by Leo Tolstoy, Anna Karenina.
Just like most of Dostoevsky's novels was very unpopular because of the rejection of socialist ideals. Many critics existentialists, including Jean Paul Sartre regarded the novel as a precursor to existentialist thought and an inspiration to their philosophies

My critique:
A book so current and former, never before in human loneliness and depression have plagued millions of people worldwide. The Internet has only increased that gap and created more "men and women of the underworld."
There are kids who only know the "love of the Internet" in chat rooms, social networking sites or love relationship. No more eye to eye, the butterflies. In the underworld each one is what you desire and illusion reigns, as well as cowardice and deceit.
What we see is the growth of pedophilia and sex trade without limits and exposure of young people posting themselves semi-nude photos.
The pettiness and nastiness of the character of the book is as current as their cowardice.
Today he would be happier, his plans for revenge are wider and easier to run. His physical and moral poverty would be no problem to establish ties of friendship and dating through Facebook, MSN, etc..
It is certainly a unique work, and as I mentioned above striker extremely visionary and prophetic.
Sometimes I hoped for happiness and redemption of the character. Their psychological duality is worthy of Freud. The mastery of the text is fabulous, the black humor is terrific.

An unforgettable book.