Páginas

sábado, 18 de setembro de 2010

A menina que brincava com fogo(2009) - Stieg Larsson(Editora Companhia das letras)


Lisbeth parece uma garota frágil, mas é uma mulher determinada, ardilosa, perita tanto nas artimanhas da ciberpirataria quanto nas táticas do pugilismo. Mikael Blomkvist pode parecer apenas um jornalista em busca de um furo, mas no fundo é um investigador obstinado em desenterrar os crimes obscuros da sociedade sueca, sejam os cometidos por repórteres sensacionalistas, sejam os praticados por magistrados corruptos ou ainda aqueles perpetrados por lobos em pele de cordeiro.
"Não há inocentes. Apenas diferentes graus de responsabilidade", raciocina Lisbeth Salander, protagonista de "A Menina que Brincava com Fogo", de Stieg Larsson. O autor - um jornalista sueco especializado em desmascarar organizações de extrema direita em seu país - morreu sem presenciar o sucesso de sua premiada saga policial, que já vendeu mais de 10 milhões de exemplares no mundo.

Minha opinião

Um livro de suspense que prende a atenção do leitor da primeira a última página.
Mikael Blomkvist com certeza é o alter ego do escritor Stieg Larsson, como ele o seu personagem é um jornalista investigativo. A pergunta que fica é quem seria Lisbeth?
Uma garota com 1,50 de altura, uma hacker brilhante, com memória fotográfica e uma inteligência que beira a genialidade. Neste segundo volume é revelado o passado de Lisbeth e as explicações para os seus problemas psicológicos. Stieg consegue unir dois personagens distintos Mikael que representa o idealista, o sonhador, o herói. Do outro lado temos Lisbeth a juventude, o tema moderno que é a informática, a cínica e bad girl.
Uma curiosidade é a vida do escritor Stieg Larsson que morreu antes da publicação dos seus livros em 2004 vítima de um ataque cardíaco fulminante.
Stieg tinha 50 anos e tinha acabado de entregar os manuscritos da trilogia Millennium para os seus editores. Depois de sua morte em 2004, em 2008 tornou-se o segundo escritor que mais vendeu livros no mundo todo.
A morte de Stieg ceifou um grande talento e uma carreira que seria gloriosa. Eu li que na verdade não seria uma trilogia e sim seis livros ao todo, uma pena.

Translation

Lisbeth seems a frail girl, but a determined woman, cunning, expert in both the antics of cybersquatting on the tactics of boxing. Mikael Blomkvist may seem just a journalist in search of a hole, but the bottom is a dogged investigator to dig up obscure the crimes of Swedish society, are committed by the sensationalistic reporters, are those perpetrated by corrupt judges or even those perpetrated by wolves in lamb.
"There are no innocents. Only different degrees of responsibility," he reasons Lisbeth Salander, star of "The Girl who played with fire" by Stieg Larsson. The author - a Swedish journalist who specializes in debunking right-wing organizations in their country - died without witnessing the success of its award-winning crime saga, which has sold over 10 million copies worldwide.

My opinion

A book of suspense that holds the reader's attention from first page to last.
Mikael Blomkvist with certainty is the alter ego of writer Stieg Larsson, your character as he is an investigative journalist. The question that remains is who would Lisbeth?
A girl with 1.50 high, a brilliant hacker with a photographic memory and intelligence that borders on genius. In this second volume of the past is revealed Lisbeth and explanations for their psychological problems. Stieg can unite two different characters that Mikael is the idealist, the dreamer, the hero. On the other hand we Lisbeth youth, the theme is that modern computer technology, the cynical and bad girl.
A curiosity is the life of the author Stieg Larsson died before the publication of his books in 2004 suffered a massive heart attack.
Stieg was 50 and had just delivered the manuscript of the Millennium trilogy for their publishers. After his death in 2004 and in 2008 became the second writer who has sold more books worldwide.
The death of Stieg claimed a great talent and a career that would be glorious. I read that actually would be a trilogy but six books in all, a pity.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

1933 foi um ano ruim(1985) - John Fante(Editora L&PM)


No fundo do estado norte-americano do Colorado, Dominic Molise, 17 anos, filho de um pedreiro e uma dona-de-casa temente a Deus, ambos imigrantes italianos, sonha em fugir do frio, ir para a Califórnia e tornar-se um grande arremessador de baseball, graças ao seu vigoroso braço esquerdo - dádiva concedida à miséria da sua vida. Enquanto isso não acontece, ele atura a avó ranzinza, os irmãos e o pai, que trai a sua mãe, pede segredo ao filho e ainda por cima desdenha dos seus sonhos esportivos, querendo transformá-lo em pedreiro como ele. Dominic freqüenta a casa de Kenny, filho de um dos homens mais ricos da cidade, e apaixona-se por Dorothy, a refinada irmã do amigo. 1933 é um ano ruim porque Dominic depara-se com as impossibilidades da vida humana e tem de escolher entre seu sonho dourado e a pequena existência que lhe é insuportável.

1933 foi um ano ruim é, como grande parte da literatura de John Fante, baseado em fatos autobiográficos: filho de emigrantes italianos pobres (ele um pedreiro, ela, uma dona-de-casa devota), Fante fugiu da sua cidade natal para tornar-se escritor na Califórnia. Como todos os textos do autor, 1933 foi um ano ruim está imbuído de um sentimento de compaixão para com as fraquezas e misérias humanas: fraquezas e compaixão tais que pintam o homem no seu estado mais nu e indefeso ao mesmo tempo em que lhe devolvem a honra e a dignidade de um ser sofredor.

O manuscrito do romance permaneceu inédito durante anos e veio à luz devido ao esforço de Charles Bukowski de resgatar a obra de Fante, sobre quem dizia: "Finalmente aqui está um homem que não tem medo da emoção".

Esta edição de 1933 foi um ano ruim faz parte de um esforço do mercado editorial brasileiro de resgatar e tornar novamente acessível ao público a obra de um dos maiores escritores norte-americanos.

Minha opinião:

Um livro verdadeiro, cheio de vida e sonho. O mentor e ídolo de Bukowski exibe todo o seu talento. O genial Charles Bukowski que resgatou do limbo o escritor John Fante.
Fante escreve de forma diferente, menos sexual que Bukowski. Seu personagem central neste livro o garoto Dominic tem 17 anos e um único sonho. O baseball e sua canhota são a sua única chance de sair da pobreza. Um paralelo com os milhões de jovens brasileiros que sonham tornarem-se jogadores de futebol e com isso alcançarem a fama e fortuna.
Este livro lembra o "apanhador do campo de centeio" de J.D.Salinger. Um livro com um frescor juvenil, um tempo em que todos sonhamos e achamos qualquer desejo possível.
Li em uma única noite de supetão e me arrependi. Senti uma falta das aventuras de Dominic e uma curiosidade em saber qual foi o seu destino.

Translation

Deep in the U.S. state of Colorado, Dominic Molise, 17, son of a bricklayer and a stay-at-home devout, both Italian immigrants, dreams of escaping the cold, go to California and become a great pitcher in baseball, thanks to his strong left arm - donation given to the misery of his life. Until that happens, he puts up a nagging grandmother, brothers and father who betrays his mother, secret calls to his son and still disdains their sporting dreams, wanting to turn it into a mason like him. Dominic attends the house of Kenny, son of one of the richest men in town, and falls in love with Dorothy, the refined sister's friend. 1933 is a bad year because Dominic is faced with the impossibility of human life and must choose between his dream and the small gilded existence that it is unbearable.

1933 was a bad year is, how much of the literature of John Fante, based on autobiographical events: the son of poor Italian immigrants (he a mason, she a stay-at-home devout), Fante fled her hometown to make a writer in California. Like all texts of the author, 1933 was a bad year is imbued with a sense of compassion for human weakness and misery: weakness and pity those who paint the man at its most naked and helpless at the same time that you return the honor and dignity of being a sufferer.

The manuscript of the novel remained unpublished for years and came to light due to the efforts of Charles Bukowski's work to rescue Fante, about who said: "Finally here is a man who has no fear of emotion."

This edition of 1933 was a bad year is part of an effort by the Brazilian publishing market to recover and again become available to the public the work of one of the greatest American writers.

My opinion:

A real book, full of life and dream. The mentor and idol Bukowski displays all his talent. The great Charles Bukowski who rescued limb writer John Fante.
Fante writes differently, less sexual than Bukowski. Its central character in this book the boy Dominic is 17 years old and a single dream. The baseball and his left-handed is his only chance to escape poverty. A parallel with the millions of young Brazilians who dream of becoming football players and thereby achieve the fame and fortune.
This book recalls the "Catcher in the Rye" by JDSalinger. A book with a youthful freshness, a time when we all dream and every desire possible.
Li in a single night of a sudden and I repented. I felt a lack of adventures of Dominic and a curiosity to know what was their destination.

sábado, 24 de julho de 2010

Memória de minhas putas tristes(2004) - Gabriel García Márquez(Editora Record)



Memória de minhas putas tristes, escrito e lançado em 2004.O autor Gabriel García Márquez volta a escrever um romance depois de dez anos.
A história de um ancião que na véspera do seu aniversário de noventa anos resolve comemorar desvirginando uma garota de 14 anos de idade.



Trechos do livro:

“No ano de meus noventa anos quis me dar de presente uma noite de amor louco com uma adolescente virgem. Lembrei de Rosa Cabarcas, a dona de uma casa clandestina que costumava avisar aos seus bons clientes quando tinha alguma novidade disponível. Nunca sucumbi a essa nem a nenhuma de suas muitas tentações obscenas, mas ela não acreditava na pureza de meus princípios. Também a moral é uma questão de tempo dizia com sorriso maligno, você vai ver.”


“Desde então comecei a medir a vida não pelos anos, mas pelas décadas. A dos cinqüenta havia sido decisiva porque tomei consciência de que quase todo mundo era mais moço que eu. A dos sessenta foi a mais intensa pela suspeita de que já não me sobrava tempo para em enganar. A dos setenta foi temível por uma certa possibilidade de que fosse a última. Ainda assim, quando despertei vivo na primeira manhã de meus noventa anos na cama feliz de Degaldina, me atravessou uma idéia complacente de que a vida não fosse algo que transcorre como o rio revolto de Heráclito, mas uma ocasião única de dar a volta na grelha e continuar assando-se do outro lado por noventa anos a mais.”

Minha crítica:

O autor do premiado e respeitado romance “Cem anos de solidão” acertou em um livro que exalta o amor.Com sua prosa poética e estilo único, relata as aventuras e limites de um senhor de noventa anos de idade. A história de uma vida longa, porém sem um único amor.
Um texto cômico, dramático e que fala de sexo sem cair na mesmice. É um livro pequeno, para ler de uma única vez e no final ficar com sabor de quero mais.
Um desfecho que faz a imaginação dar piruetas.
A mensagem final e mais importante é perto do final do livro, em um encontro entre o ancião e uma antiga amante dos prostíbulos. Depois de narrar sua aventura com Degaldina, a antiga amante lhe dá um conselho, sensacional.
Uma obra imperdível.


Translation


Memories of My Melancholy Whores, written and released in 2004.O author Gabriel García Márquez returned to writing a novel after ten years.
The story of an old man who on the eve of his birthday ninety desvirginando a girl decides to celebrate 14 years of age.



Excerpts from the book:

"In the year of my ninetieth birthday I wanted to give away a night of wild love with an adolescent virgin. Cabarcas remembered Rosa, the owner of an illegal house who would inform her good clients when she had something new available. I never succumbed to that or any of his many lewd temptations, but she did not believe in the purity of my principles. The morality is a matter of time said with evil smile, you'll see. "


"Since then I began to measure life not by years but by decades. In the fifty had been decisive because I realized that almost everyone was younger than me. The sixties was the most intense suspicion that no longer had time for me to deceive. The seventies was feared by some chance that was the last. Still, when I woke up alive on the first morning of my ninetieth birthday happy Degaldina in bed, I went through a complacent idea that life is not something that passes as the raging river of Heraclitus, but a unique opportunity to give back to the grid and continue baking the other side for ninety more years. "

My review:

The author of the respected and award winning novel "One Hundred Years of Solitude" hit in a book that celebrates the amor.Com his poetic prose and unique style, recounts the adventures and limits of a man ninety years old. The story of a long life, but without a single love.
A text comic, dramatic and that speaks of sex without falling into monotony. It's a small book to read at once and in the end be with taste for more.
An outcome that makes the imagination pirouettes.
The final and most important message is near the end of the book, in a meeting between the elder and a former lover of brothels. After recounting his adventure with Degaldina, the former lover gives him advice, sensational.
A work missed.

domingo, 18 de julho de 2010

A fundação(1951) - Isaac Asimov(Editora Aleph)


O livro A Fundação é a primeira parte da famosa trilogia Fundação de Isaac Asimov.
Originalmente lançado em 1951 é um dos mais famosos livros de ficção científica .
A história começa quando o matemático Hari Sheldon prevê o declínio do império intergaláctico. Hari compartilha as descobertas feitas através da psico-história, tais como o colapso do Império dentro de 300 anos, seguido de um período de 30 000 anos de barbarismo.Hari propõe uma alternativa a este futuro; uma que não preveniria o colapso mas encurtaria o período de trevas para meros 1000 anos. Mas este plano requeriria um grande grupo de pessoas para desenvolver um compêndio de todo o conhecimento humano, entitulado como Enciclopédia Galáctica.
O livro é dividido em capítulos e cada um tem personagens diferentes.
Capítulo 1 Os Psicohistoriadores
(0 D.F. ou zero anos depois da Fundação)
O primeiro conto se passa em Trantor, um planeta habitado por 12 000 anos e capital do Império Galáctico. Enquanto o Império mantém as aparências de estabilidade, sob esta fachada ele sofre uma lenta decadência. A personagem principal, Hari Seldon, um matemático, desenvolveu a psico-história, a qual equivale todas as possibilidades em grandes sociedades à matemática, assim permitindo a predição de resultados de longo prazo.
Capítulo 2 Os Enciclopedistas
(50 D.F.) (publicado em maio de 1942 como "Foundation")
O segundo conto, "Os Enciclopedistas", dá-se 50 anos após os eventos de "Os Psicohistoriadores". Terminus enfrenta a primeira de muitas "Crises Seldon" (crises integrantes do Plano Seldon). Sem posse de recursos minerais próprios, eles se tornam isolados dos suprimentos do exterior, como resultado de um planeta vizinho haver se rebelado contra o Império e declarado independência.
Capítulo 3 Os Prefeitos
(80 D.F.) (publicado em junho de 1942 como "Bridle and Saddle")
O terceiro conto; "Os Prefeitos", ocorre três décadas após "Os Enciclopedistas". A compreensão científica da Fundação lhes deu uma vantagem estratégica sem igual sobre os planetas vizinhos, e uma religião artificial denominada Cientismo se desenvolve.
Capítulo 4 Os Comerciantes
(cerca de 155 D.F.) (publicado em outubro de 1944 como "The Wedge")
O quarto conto; "Os Comerciantes" ocorre 55 anos após "Os Prefeitos". O conto descreve as aventuras de Limmar Ponyets, um comerciante que é enviado para resgatar Eskel Gorov que está preso no planeta Askone.

Capítulo 5 Os Príncipes Mercantis
(cerca de 175 D.F.) (publicado em agosto de 1944 como "The Big and the Little")
O quinto conto; "Os Príncipes Mercantis" ocorre só vinte anos após "Os Comerciantes".
A Fundação se expandiu por meio do Cientismo e da economia. Três naves da Fundação sumiram perto da República de Korell, uma nação suspeita de desenvolvimento tecnológico. O comerciante Hober Mallow é enviado para verificar o nível técnico deles e com sorte achar as naves desaparecidas.

Minha opinião:

É um livro fantástico de ficção científica.A criação de personagens, planetas,tecnologia,as mensagens subliminares no texto,etc.O erro é não estabelecer personagens fixos,a cada capítulo é dado um salto de 50 ou 100 anos na história.Isso deixa não possibilita a criação de vinculo entre leitor e personagem.Não existem personagens principais e o livro parece uma livro de história de um mundo fantasioso.Um livro feito só para fãs do gênero de ficção científica e não recomendo para outros leitores.A história acaba parecendo confusa e muito didática,sem emoção ou heróis .É um livro inteligente e na contrapartida muito frio e sem graça.Alguns livros seus foram adaptados para o cinema como:
Viagem fantástica (1966)
O fim da eternidade(1987)
Viagem insólita(1987)
Nightfall(2000)
O homem bicentenário(1999)
Eu,robô(2004)
Isaac asimov é considerado o melhor escritor de ficção científica de todos os tempos.

Bibliografia(fonte wikipedia)
Isaac Asimov (Isaak Judah Ozimov), em russo Айзек Азимов (Petrovichi, 2 de janeiro de 1920 — Nova Iorque, 6 de abril de 1992), foi um escritor e bioquímico estadunidense, nascido na Rússia, autor de obras de ficção científica e divulgação científica.
A obra mais famosa de Asimov é a série da Fundação, também conhecida como Trilogia da Fundação, que faz parte da série do Império Galáctico e que logo combinou com sua outra grande série dos Robots. Também escreveu obras de mistério e fantasia, assim como uma grande quantidade de não-ficção. No total, escreveu ou editou mais de 500 volumes e umas 90.000 cartas ou postais, e têm obras em cada categoria importante do sistema de classificação bibliográfica de Dewey, exceto em filosofia.
Asimov foi reconhecido como mestre do gênero da ficção científica e, junto com Robert A. Heinlein e Arthur C. Clarke, foi considerado em vida como um dos "Três Grandes" escritores da ficção científica.
Asimov pretendia escrever 500 livros e, por pouco, não atingiu essa marca; escreveu 463 obras. Mas, somando todos os livros, desenhos e coleções editadas, totalizam-se 509 itens em sua bibliografia completa. Asimov pode ter escrito Opus 400, que seria uma comemoração de 400 publicações; contudo, a lista de comemorativos da bibliografia vai apenas até o Opus 300.
No livro Escolha a Catástrofe, Asimov disserta sobre os futuros problemas que poderiam levar a humanidade à extinção e como a tecnologia poderia salvá-la. Em certa parte do livro, ele fala sobre a educação e como ela poderia funcionar no futuro.

Haverá uma tendência para centralizar informações, de modo que uma requisição de determinados itens pode usufruir dos recursos de todas as bibliotecas de uma região, ou de uma nação e, quem sabe, do mundo. Finalmente, haverá o equivalente de uma Biblioteca Computada Global, na qual todo o conhecimento da humanidade será armazenado e de onde qualquer item desse total poderá ser retirado por requisição.


…Certamente, cada vez mais pessoas seguiriam esse caminho fácil e natural de satisfazer suas curiosidades e necessidades de saber. E cada pessoa, à medida que fosse educada segundo seus próprios interesses, poderia então começar a fazer suas contribuições. Aquele que tivesse um novo pensamento ou observação de qualquer tipo sobre qualquer campo, poderia apresentá-lo, e se ele ainda não constasse na biblioteca, seria mantido à espera de confirmação e, possivelmente, acabaria sendo incorporado. Cada pessoa seria, simultaneamente, um professor e um aprendiz.


Translation

The book The Foundation is the first part of the famous Foundation trilogy by Isaac Asimov.
Originally released in 1951 is one of the most famous science fiction books.
The story begins when the mathematician Hari Sheldon foresees the decline of the intergalactic empire. Hari shares the discoveries made by psycho-history, such as the collapse of the empire within 300 years, followed by a period of 30,000 years of barbarismo.Hari proposes an alternative to this future, one that would not prevent the collapse but would shorten the dark period to a mere 1000 years. But this plan would require a large group of people to develop a compendium of all human knowledge, titled as Encyclopedia Galactica.
The book is divided into chapters and each has different characters.
Chapter 1 Psychohistorians
(0 D.F. zero or years after the Foundation)
The first story takes place on Trantor, a planet inhabited by 12,000 years and the capital of the Galactic Empire. While the Empire has the appearance of stability under this facade he suffers a slow decay. The main character, Hari Seldon, a mathematician, developed the psycho-history, which equals all possibilities in large companies to mathematics, thus allowing the prediction of long-term results.
Chapter 2 The Encyclopedists
(50 DF) (published in May 1942 as "Foundation")
The second tale, "The encyclopedia," takes place 50 years after the events of "Psychohistorians. Terminus faces the first of many "Seldon Crisis" (Seldon crises members of the Plan). Without ownership of mineral resources themselves, they become isolated from supplies from abroad, as a result of a nearby planet have rebelled against the Empire and declared independence.
Chapter 3 The Mayors
(80 DF) (published in June 1942 as "Bridle and Saddle")
The third tale, "The Mayors", takes place three decades after "The Encyclopedists. Scientific understanding of the Foundation gave them a unique strategic advantage over the neighboring planets, and an artificial religion called Scientism develops.
Chapter 4 The Marketers
(About 155 DF) (published in October 1944 as "The Wedge")
The fourth tale, "The Merchants" occurs 55 years after "The Mayors". The tale describes the adventures of Ponyets Limmer, a merchant who is sent to rescue Eskel Gorov who is trapped on the planet Askone.

Chapter 5 The Merchant Princes
(About 175 DF) (published in August 1944 as "The Big and the Little")
The fifth tale, "The Merchant Princes" occurs only twenty years after "The Merchant."
The Foundation has expanded through the Scientism and the economy. Three ships were gone by the Foundation of the Republic of Korell, a nation suspected of technological development. The merchant Hober Mallow is sent to verify their technology and hopefully find the missing ships.


My opinion:
It is a fantastic book of fiction scientific nature.The creation of characters, planets, technology, subliminal messages in the text, etc. The error is not to establish fixed characters, each chapter is given a jump of 50 or 100 years in história.Isso leaves does not allow the creation of relationship between reader and there personagem.Não main characters and the book looks like a history book of a world fantasioso.Um book made just for fans of the genre of science fiction and not recommend to other leitores.A story ends up looking confused and very didactic, without emotion or heroes. It is a book smart and very cold in the hand and without graça.Alguns his books were adapted for the screen as:
Fantastic Voyage (1966)
The End of Eternity (1987)
Uncommon trip (1987)
Nightfall (2000)
Bicentennial Man (1999)
I, Robot (2004)
Isaac Asimov is considered the best science fiction writer of all time.

Bibliography (source wikipedia)
Isaac Asimov (Isaak Judah Ozimov) Russian Айзек Азимов (Petrovichi, January 2, 1920 - New York, April 6, 1992) was an American author and biochemist, born in Russia, author of works of science fiction and disclosure science.
The most famous work of Asimov's Foundation series, also known as the Foundation Trilogy, which is part of the Galactic Empire series and soon combined with her other big series of Robots. He also wrote works of mystery and fantasy, like a lot of nonfiction. In total, he wrote or edited over 500 volumes and some 90,000 letters or postcards, and has works in every major category of the classification system from Dewey literature, except in philosophy.
Asimov was recognized as a master of science fiction genre and, along with Robert A. Heinlein and Arthur C. Clarke, was seen in life as one of the "Big Three" science-fiction writers.
Asimov intended to write 500 books, and some did not reach that mark; wrote 463 works. But adding up all the books, drawings and edited collections, amounted to 509 items in his complete bibliography. Asimov could have written Opus 400, which would be a celebration of 400 publications, however, the list of commemorative bibliography extends only to the Opus 300.
Choose the catastrophe in the book, Asimov talks about future problems that could lead humanity to extinction and how the technology could save her. On one part of the book, he talks about education and how it could work in the future.

There will be a tendency to centralize information so that a request for certain items can use the resources of all libraries of a region or a nation and perhaps the world. Finally, there is the equivalent of a library computer Global, in which all human knowledge is stored and where any item of this total may be removed by request.


... Certainly, more people would follow this easy and natural way to satisfy their curiosities and needs to know. And each person as they were educated in their own interests, could then start making their contributions. One who had a new thought or observation of any kind on any field, could present it, and if it is not featured in the library would be kept waiting for confirmation, and possibly end up being incorporated. Each person would be both a teacher and a learner.

terça-feira, 6 de julho de 2010

O clube do filme(2009) - David Gilmour(Editora Intrínseca)


David Gilmour, crítico de cinema desempregado e com o dinheiro contado, vivia uma fase complicada.Além disso, o filho de 15 anos colecionava reprovações em todas as disciplinas. Diante da falta de rumo daquele estudante perdido e despreparado, uma proposta paterna radical: o garoto poderia sair da escola – e ficar sem trabalhar e sem pagar aluguel, desde que assistisse toda semana a três filmes escolhidos pelo pai, e com o pai.
Assim surgiu o clube do filme... ( texto retirado da “orelha” do livro).

O que achei do livro?
Minha crítica
O clube do filme lançado no Brasil em 2009 é um livro delicioso. A cada sessão de cinema caseira, uma história diferente, uma intenção, um diretor, um tema. Uma aula de cinema para os amantes da sétima arte, um livro de dicas de bons filmes. E não é só cinema, é relação pai e filho, uma aula de psicologia familiar.Quem tem filhos se reconhece em David, quem não tem fica com vontade de ser pai.
O mais incrível é que a história é real, realmente tudo aquilo aconteceu de verdade.
Quem sabe o nome dele David Gilmour tenha influenciado.rsrs(David Gilmour é o nome do guitarrista da banda Pink Floyd)
Não, não acho que David tenha surtado.Continuo achando que estudar é importante.
O que acontece é que as novas gerações estão cansadas de um sistema de ensino ultrapassado.Hoje em dia as distrações são maiores e os interesse mudaram bastante.
O mundo não é divido em bons e maus alunos e ser um bom aluno não é sinônimo de sucesso profissional e vice-versa.
Que ás vezes o adolescente precisa de um tempo para escolher com sabedoria a sua profissão, o seu próprio caminho.Não adianta ficar na universidade quatro anos e depois descobrir que não fez a escolha certa, e o resultado? Diploma pendurado na parede ou mais um profissional medíocre no mercado de trabalho.O legal é gostar do que faz, ir a aula com prazer e não ao invés disso passar mais tempo numa mesa de bar nos arredores da facú, jogando bilhar, bebendo e falando besteira.
O mais importante é escolher a carreira certa, o seu próprio caminho e ser feliz.
Na minha opinião o livro não é sobre cinema, é um livro basicamente sobre amor.
Um ato original e genial de um pai para com um filho, ensinando que tudo tem a sua hora e que cada é cada um.

Outras opiniões –

“É um relato sincero sobre como é difícil crescer, como é difícil ver alguém crescer e como no meio da raiva e da desordem de uma família não há nada tão bem-vindo quanto um filme” (The New York Times)

“O que surge para o leitor é um belo retrato de pais e filhos, sem retoque - com imperfeições, parcial, repleto de mágoa e afeição” (Newsweek)


Translation

David Gilmour, film critic for unemployed and on a budget, there lived a phase complicada.Além addition, the son of 15 years collected failures in all subjects. Given the lack of direction that student lost and unprepared, a radical proposal father: the boy could get out of school - and being without work and without paying rent, provided they attend every week for three films chosen by the father and the father.
Thus arose the club the movie ... (Text taken from the "ear" of the book).

What I found the book?
My criticism
The club movie released in Brazil in 2009 is a delightful book. Each home cinema session, a different story, an intention, a director, a theme. A classroom film for lovers of the seventh art, a book of tips on good films. And that's not cinema, is the father and son, a psychology class familiar.Quem has been recognized in children David, who has no desire to be with is father.
The most amazing thing is that the story is real, really all that actually happened.
Who knows his name has influenciado.rsrs David Gilmour (David Gilmour is the name of the guitarist for Pink Floyd)
No, I do not think David has surtado.Continuo thinking that studying is important.
What happens is that new generations are tired of an education system ultrapassado.Hoje-day distractions are highest and the interest has changed considerably.
The world is not divided into good and bad students and being a good student is not synonymous with professional success and vice versa.
That sometimes teenagers need a time to wisely choose their profession, their own caminho.Não use getting in the university four years later and discover that did not make the right choice, and the result? Diploma hanging on the wall or over a mediocre professional market work.and legal is like what you do, go to class with pleasure and not instead spend more time on a bar table in the vicinity of Facu, playing pool, drinking and talking bullshit.
The most important is choosing the right career, your own way and be happy.
In my opinion the book is not about film, is basically a book about love.
A brilliant and original act of a parent towards a child, teaching that everything has its time and that each is an individual.

Other views -

"It's a heartfelt story about how difficult it is to grow, as it is difficult to see someone grow and how in the midst of anger and disorder of a family there's nothing as welcome as a movie" (The New York Times)

"What emerges for the reader is a beautiful portrait of parents and children, without retouching - with imperfections, partial, full of grief and affection" (Newsweek)